reunião de negócios

Nossos esforços são feitos para se mostrar. Nosso trabalho está sendo comentado e queremos compartilhar nossas mais recentes conquistas com você. Continue lendo para descobrir nossas últimas conquistas.

   branding  

Atualizado: 16 de abr. de 2020

Podemos dizer que, atualmente, fazemos de tudo pela internet, presença digital é tudo.


A conectividade trás consigo a praticidade e facilidade em executar das tarefas diárias mais básicas, até as mais complicadas. Praticamente tudo se pode resolver online. E é por essas características que as pessoas vêm adaptando seus hábitos de consumo através de pesquisas em blogs ou redes sociais.


Por isso é tão importante uma empresa se colocar no plano digital. É por ali que as chances de atingir o público-alvo aumentam, além de marcar presença para os clientes e para a concorrência.


Entretanto, algumas marcas confundem presença digital com ter redes sociais. Não que estas não sejam importantes no desenvolvimento de um produto ou serviço, mas o primeiro passo a se dar nessa empreitada é o desenvolvimento de um bom site.


Através deste canal, seu cliente vai encontrar mais informações sobre seu produto e marca. Para tornar essa experiência a melhor possível para sua audiência, gerando confiança do público, é importante ficar alerta à pequenos detalhes que fazem grande diferença nos resultados.

O que é um bom site?

O primeiro quesito em que devemos prestar atenção é na funcionalidade do seu site. Ele precisa ter uma navegação fácil, intuitiva, onde o cliente só de bater o olho, já saiba como navegá-lo, e é através de um layout bem planejado que obtemos este aspecto. Um designer pode te ajudar nessa parte.


Outra característica que deve ser levada em consideração é o domínio do site. O que seria o domínio? É o nome do seu site: por exemplo: suamarca.com.br. Quanto mais simples e de fácil escrita o domínio, melhor será para o cliente acessá-lo. Se a sua marca tiver um nome um pouco mais complicado, vale investir em termos parecidos, caso alguém digite errado, o mesmo será direcionado e você não perderá uma visita.


Para turbinar esse material, ainda duas questões devem ser levadas em consideração aqui. Informações são essenciais em qualquer site, então crie abas com os contatos da sua empresa, tanto físico (local do escritório e telefone) quanto digital (com a lista de todas as redes em que a marca está presente). Também vale investir em uma aba com o histórico da empresa, comentários e avaliações de outros clientes. Além de todas essas informações disponíveis, precisa ser um site responsivo, que é uma plataforma que se adapta a qualquer tamanho de tela. Devemos relembrar que as pessoas, cada vez mais, acessam sites por smartphones, e estes devem proporcionar um acesso descomplicado.


Agora que já montamos um site, vamos pensar em como melhorá-lo ainda mais. Levando em consideração que esta plataforma é a sua vitrine, e que através dela é que conquistamos mais clientes, um bom investimento á a criação de um blog dentro do seu site. Aí você deve estar pensando no que um blog poderia te ajudar.


Bom, criando um blog, abrimos ainda mais o leque de estratégias de marketing de conteúdo. São posts relacionados ao que você oferece, e são através deles que as pessoas encontram sua página quando buscam um termo relacionado no Google. Ter um blog aumenta sua posição nos rankings do Google, que considera os sites com blogues com maior credibilidade, e os coloca nas primeiras posições de um resultado de pesquisa.


Estes são os primeiros passos para nos consolidarmos com presença digital. Seu site tendo um bom conteúdo, onde seu público pode acessá-lo para tirar dúvidas e saber que o contato com a marca é fácil, sua empresa ganha autoridade e vira referência, quando se dá voz ao público, ele se sente valorizado.

Inbound Marketing

Após essa etapa do site concluída, começamos a parte de criação de conteúdo. Ao criar posts para seu blog, enviar e-mails com atualizações para os leitores  e até criar conteúdos relevantes nas redes sociais, você está criando gerando valor para sua marca de dentro para fora, o que chamamos de  Inbound Marketing.


Aqui você pode ler mais a fundo sobre esse tema. O importante que devemos saber sobre esse tipo de divulgação, é que quanto mais curado o conteúdo seja ao seu público melhor. Isso gera aquela confiança no cliente, ao mostrar que você sabe do que fala, aumentando positivamente a percepção da sua marca.

Mídias Sociais

Tão importante nos dias de hoje quanto um cartão de visitas no passado, as mídias sociais são o principal canal de comunicação entre pessoas e marcas hoje. Elas são um ótimo termômetro para sentir como seu produto ou serviço está sendo avaliado. Além disso também são a forma mais rápida de aumentar o alcance da seu negócio, gerando resultados exponenciais quando é feito um bom planejamento de marketing.


Tenho certeza que quando estava pesquisando uma marca, e viu que ela não tinha nenhuma rede social, já ficou com o pé atrás, desistindo de entrar em contato e procurando provavelmente seu concorrente.


Isso é algo muito comum. Por conta da abundância de ofertas, damos cada dia mais valor para a experiência de outros usuários/clientes que já testaram aquele serviço, pois assim temos prova de o que está sendo entregue é realmente bom para você.

Ao saber usar as mídias sociais ao seu favor, suas marcas terão muito mais chances de aumentar seu alcance, vendas e lucro.

Anúncios

Outro ponto da presença digital, são os investimentos em anúncios. Eles são a forma mais certeira de alcançar um público específico, uma região ou promover um produto. Existem vários tipos de anúncios, e o melhor para cada marca depende muito do serviço que ela presta. Por exemplo, as redes sociais são ótimas para ofertas de produtos e serviços B2C (Business to Consumer), onde você alcança com facilidade um consumidor final. Outros como Linkedin Ads e Google Ads, podem funcionar melhor para prestadores de serviço B2B (Business to Business), que precisam alcançar empresas onde o funil de vendas do seu produto será mais complexo.


Todas essas formas de divulgação, independente do canal (site, rede social ou anúncios) tem o mesmo objetivo: aumentar seu alcance e engajamento com o seu público.

É primordial que uma empresa, não importa seu tamanho ou capacidade, tenha pelo menos alguma presença no mundo digital, mesmo que seja um site institucional. No seu planejamento futuro, uma estratégia digital fará que sua presença aumente e se consolide, propagando cada vez sua marca.


Entendemos que algumas marcas podem ter receio de abrir um canal de comunicação tão íntimo com os clientes, por medo de gerar um feedback negativo. Porém, através deste contato, ambas as partes ganham. Os clientes ficam satisfeitos em saber que ele terá suporte para ajudá-lo a solucionar um problema. Já a empresa ganha com o aumento da credibilidade e o feedback dos clientes nos possibilita evoluir e melhorar problemas que as vezes nunca tinhamos pensado antes.


Afinal, melhor um cliente te dar um feedback do que  ir para concorrência, não é mesmo?


Confira mais dicas sobre gestão de marcas aqui no nosso blog. Se quiser receber a dicas direto no seu email, é só se cadastrar em nossa newsletter, ou faça um diagnóstico de marca com IN, entre em contato!

Atualizado: 16 de abr. de 2020

A criação de uma marca pode parecer complicada a primeira vista, mas seguindo com as ferramentas certas em mãos tudo fica mais fácil.


Tudo começa assim: uma nova oportunidade de negócio, a empresa da família crescendo, aquela ideia genial de um produto que você sonhava a tempos finalmente vai sair do papel. Está tudo se encaminhando, mas espera ai! E a sua marca?


Para algumas pessoas, é simples, cria-se um logo com nome da sua empresa e pronto! Rápido e fácil. Se engana quem acha que  esse processo é tão simples assim, com certeza ela vai ter que retomar esse passo no futuro caso a empresa comece a deslanchar. Só depois o real valor de uma marca bem estruturada vai começar a fazer sentido, aquele investimento de tempo e dinheiro inicial vai mostrar seu valor.


Já falamos aqui sobre a importância de ter uma identidade visual, sabemos que toda marca para existir precisa de 3 ingredientes: nome, identidade visual e posicionamento. O processo de criação de marca é como uma cascata, onde cada etapa é dependente da anterior, por isso é muito importante não pular para a parte que tem “mais necessidade” ou “urgência” pois todas elas são essenciais.


O processo de criação normalmente é uma fórmula bem flexível, dependente muito do tipo de projeto, podendo incluir ou adaptar mais passos dentro da base principal se preciso.

Aqui na IN seguimos uma variação do modelo tradicional, mudando um pouco a ordem do processo. O nosso método é dividido em 4 partes: Pesquisa, Desenvolvimento, Prototipagem e Aplicação.

Etapa 1 – Pesquisa

Aqui é onde começamos o trabalho de criação da marca. Nesta etapa fazemos todo o levantamento de dados com o cliente, eles serão a base para dar início a pesquisa do posicionamento, análise de concorrentes, tendências do nicho, referências visuais e verbais de marcas existentes.


Uma ferramenta muito importante nessa parte do processo, é a elaboração de um briefing bem completo para preencher com o cliente. Somente com todas as informações em mãos a pesquisa terá mais qualidade e rapidez. Por isso é primordial coletar não só dados objetivos, como nome, tipo de serviço/produtos, proposta de valor, público alvo e etc, mas também os dados subjetivos como: quais são suas expectativas para essa marca? Se a marca fosse uma pessoa, como a descreveria? Quais os pontos positivos e negativos do seu serviço/produto? Como descreveria o seu cliente ideal? Qual seu diferencial de mercado?


Após reunir e analisar todos os dados coletados durante a pesquisa, estamos prontos para o próximo passo que é dar início as primeiras propostas de criação. Lembrando que é muito importante que o cliente esteja participando ativamente nesse processo, pois ele conhece o produto como ninguém e não tem melhor pessoa para guiar os criativos nessa jornada.

Etapa 2 – Desenvolvimento

Na etapa de desenvolvimento pegamos o resultado das pesquisas realizadas e colocamos tudo que aprendemos em prática. Com uma melhor ideia do que o mercado oferece e as expectativas do cliente, conseguimos montar uma linha de pensamento visual que una esses pontos. Esse processo, por ser mais subjetivo, leva um pouco mais de tempo, afinal é a parte onde os criativos podem soltar a imaginação e criar à vontade.


É muito importante que o cliente também faça parte desse processo, para que não se crie um distanciamento do que ele espera do resultado final e o que realmente está sendo proposto. É preciso sempre ter uma boa comunicação entre todos os envolvidos, pois quanto maior for a troca, melhor o resultado final. A maioria das agências e criativos, costumam apresentar até 3 propostas iniciais para o cliente analisar se estão seguindo o caminho certo na criação. Após esse feedback, positivo ou negativo, serão feitas as alterações ou refações da proposta apresentada. É nessa hora que um feedback honesto, faz toda a diferença, pois ele que vai conseguir guiar o criativo ao caminho certo, muitas vezes fazendo o projeto fluir muito mais facilidade.


Etapa 3 – Prototipagem

Com a linha criativa decidida, entramos a parte dos testes. A etapa de prototipagem é onde vamos ver se tudo aquilo que imaginamos para o projeto conseguirá ser colocado em prática em um nível mais técnico.

Por exemplo, o seu cliente é um restaurante que precisa criar embalagens para entrega, e foi decidido que em sua ID visual usariam materiais mais rústicos como kraft ou papel pardo. Porém durante os testes, viram que o material da embalagem precisava ser impermeável para não correr o risco de manchas e vazamentos, tendo assim que adaptar o tipo de material do suporte para algo menos sensível a umidade. Consequentemente ao fazer essa alteração, é preciso adaptar as cores da embalagem para que a impressão fique mais adequada para aquele novo material.

Testes de cor, material, tipografia, visibilidade, legibilidade, são só alguns testes que são feitos durante essa etapa. O objetivo aqui é não deixar passar pequenos descuidos como um texto que  ficou pequeno demais  ou uma cor que sofre muita alteração no material que foi impressa.

Etapa 4 – Aplicação

O dia-a-dia será o grande teste de qualquer marca. Só colocando ela no mundo que saberemos o que realmente funciona ou não.


Ter alterações após a marca estar ativa é muito normal, pois ela sempre estará em processo de evolução. Precisamos sempre estar prestando atenção para possíveis melhorias, as aplicando de maneira que se mantenha fiel a essência da marca.


Agora que você já sabe mais sobre o processo de criação de marcas, que tal arriscar e começar aquele projeto que está guardado na gaveta? Entre em contato com a IN, nós vamos adorar te ajudar a colocá-lo em prática!


#branding #criaçãodemarcas #gestão #marcas

Atualizado: 16 de abr. de 2020

Identidade Visual: se você tem uma empresa ou está começando a empreender, com certeza já ouviu esse termo em algum momento. Tão importante quanto o nome ou logo, a identidade visual é o real trunfo quando falamos em percepção de marca. Afinal sobre ao que se refere esse termo?


O que é identidade visual?

Quando criamos uma marca, temos 3 partes essenciais para fazer ela existir, que são: nome, logo e identidade visual.


O nome (ou naming) da sua empresa, é a identificação sonora feita pelo seu público. O logo é a expressão visual mais simplificada da sua marca. Ele tem que ter rápido entendimento e ser certeiro na hora de expressar quem é ou sobre o que é sua marca. 

E por fim a identidade visual, que é o alicerce por trás de tudo, ela que faz você reconhecer a marca mesmo quando o logo ou nome não está aparente. Ela é feita de várias partes, porém suas principais ferramentas são as cores, a tipografia, formas e fotos/ilustrações.


Essas ferramentas quando aplicadas em peças de comunicação visual e ambientação fazem com que o cliente reconheça a marca sem precisar citá-la diretamente ou excessivamente. É o que chamamos de percepção da marca: quando a ID é bem construída, a percepção da marca aumenta conforme o cliente é exposto aquela identidade, criando um link subconsciente  das cores, formas, tipografia e logo, à sua marca.

Como funciona na prática?

Um exemplo fácil de entender, é a identidade visual do banco Itaú. Você já consegue imaginar, não é? Aposto que a primeira cor que veio a sua cabeça foi o laranja, remetendo a coloração dos comerciais, sempre tão quentes e convidativos, com aquele aspecto de dia ensolarado. Além disso você pode lembrar também da fachada do banco, as bicicletas espalhadas pela cidade e até do seu aplicativo mobile. Tudo isso faz parte da identidade visual e quando bem utilizada, como a do Itaú, faz com que o público reconheça a marca sem esforço. Quando começa aquele comercial você já sabe de quem é! A mesma coisa para marcas como Coca-Cola, Skol, Renault, Leroy Merlin e por ai vai. Muitas vezes nosso clientes chegam até nós com uma preocupação enorme em ter o logo perfeito. Já no primeiro momento tentamos quebrar esse mito e expressar a importância da identidade visual, pois é ela que fará seu público lembrar de você.

O logo é apenas 10% de tudo que sua marca representa, o restante está ali na Identidade visual, verbal, posicionamento, personalidade, e principalmente nos seu ideais.

Marcas são tão complexas quanto as pessoas que elas representam, por isso é tão importante criar uma identidade visual que faça sentido para seu público, onde ele se sinta acolhido e bem representado. Quer fazer um diagnóstico da sua identidade atual? Converse com a IN e descubra como ganhar mais clientes e expandir sua percepção de marca.